Post

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

By Cintia Armesto
Se você acha que o testador é um cara chato e mala que fica escrevendo passo a passo todo o cliquezinho feito para uma dada funcionalidade, atenção está na hora de rever seus conceitos! O mercado de testes está mudando principalmente devido as manifestações ageis que a maioria dos projetos estão aderindo e é preciso se adaptar para que o que você faça possa realmente agregar valor ao negócio, ou você acha que passa horas debruçado sobre um test case fazendo passinho a passinho (clic no link-> uma nova tela irá abrir. Escreva João no campo nome-> João aparece escrito, preencha 20 no campo idade, aparece a idade 20 …. Clique em enviar-> mensagem de cadastro com sucesso) ira trazer um resultado muito diferente da instrução: preencha os campos obrigatórios e submeta. Talvez essa nao seja a opinião muitos testers mais metódicos, mas o fato é que precisamos deixar de se ater a detalhes e prestar atenção a aquilo que é importante para o produto.
Recentemente tentei usar a ferramenta test link, que acredito que já seja conhecida de muitos, porém fico pensando: vou perder um tempo documentando meus cenários passo a passo só para colocar na ferramenta, sendo que podia ao invés disso estar automatizando a maioria das rotinas quem já tenho descritas de forma macro. Não consigo achar justificava para usar um método que cairá em desuso.
Li outro dia um post sobre exatamente isso, o título do post era Jogue seus testes cases no lixo, artigo do Leonardo Galani, achei o post muito interessante e total de acordo com a realidade, quem tiver tempo dá uma lida que vale a pena. Talvez quem esteja acostumado a usar métodos mais antigos, watterfall, talvez pense que é bagunça, mas não é funciona mesmo. Isso me lembra de uma aula na faculdade onde o professor Rodrigo Noll mostrou a um video do transito indiano que é um caos, mas é incrível como anda e funciona!Enquanto o transito brasileiro cheio de regras, semáforo, faixas vive em constantes crises de lentidão e diversos acidentes. Agilidade nao é bagunça! É melhoria de vida, de trabalho, agora se vc não esta disposto a quebrar velhos paradigmas esqueça porque para vc agile testing nao vai pegar.
Como falei agilidade nao é bagunça, a documentacao de testes vai existir, mas a diferença é que a documentação estará viva junto com o software! Isso vai se dar através do uso do TDD, do BDD e dos testes funcionais automatizados. Todos esses testes darão uma enorme segurança que tudo que é alterado não causará efeitos colaterais no sistema.
Não é difícil começar, basta estar aberto a pensar diferente e querer fazer as coisas funcionarem.Essa semana teremos um coding dojo de testes, começando pelo básico o Selenium IDE, mas a intenção é que isso seja motivador de mudanças.
Para mudar é preciso começar! Então adeus testcase hello agilidade!

Source: http://guriatech.blogspot.com/2012/12/hello-agiledade-goodbye-test-case.html

Category: automação, casos de teste, métodos ágeis, RBS, selenium, test case, testes de software

Você também pode querer ler

Comments are off for this post.