Post

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars
Loading ... Loading ...

By Thiago Burgos
Quando eu estava pensando num título para este post eu imaginei algo muito extenso, que com certeza não cairia bem para um título de post (talvez ficasse melhor em um título de uma tese de doutorado :P). Seria algo mais ou menos assim:
“A Falta de inovação e educação empreendedora e a distância entre a academia e a indústria: De quem é a culpa?”
Mas decidi por um título mais curto e mais objetivo. Há uns tempos atrás eu comecei a ler Pai Pobre Pai Rico, onde o autor fala um pouco dentro do enredo do livro em como somos ensinados a NÃO EMPREENDER. Somos educados (não somente pelos nossos pais, mas pela estrutura de ensino que temos em nossas escolas e universidades) a estudar, estagiar, trabalhar duro, se capacitar para um dia sermos CONTRATADOS por uma boa e grande empresa. Que ironia (Brasil em especial). O foco deveria ser completamente diferente, deveríamos ser educados para estudar, nos capacitar e trabalhar duro com o objetivo de CRIAR UMA GRANDE EMPRESA/PRODUTO (ou mesmo COMPRAR UMA GRANDE EMPRESA/PRODUTO) e CONTRATAR pessoas capacitadas para trabalhar nessas EMPRESAS. Uma diferença abismal. Recentemente também acompanhei uma série de 19 posts do Prof. Silvio Meira (do Centro de Informática da UFPE) sobre educação empreendedora, onde ele também trata desse problema (recomendo a leitura).
Acredito que eu faça parte desse time de pessoas que foram criadas e ensinadas a batalhar para conseguir um bom emprego, mas diante de uma realidade de mundo atual, não podemos nos limitar a isso somente.
Mas finalmente, como corrigir um modelo desses impregnado em uma geração de pessoas que foram criadas e ensinadas a ser empregados? Como aprender a ser donos? De quem é a culpa desse modelo em parte “fracassado” que temos no Brasil hoje?
Parece-me um deadlock: A indústria brasileira não inova porque não tem quem invista e o os detentores do dinheiro não investem porque não existem muitas iniciativas de inovação. A universidade (estou falando mais da área de tecnologia da informação) não faz pesquisa relevante para o cenário (tempo e contexto) do Brasil e por isso o mercado não usufrui dessas pesquisas, e essa demanda não parte do mercado, pois a universidade está preocupada em publicar artigos (dentre outras, essa é uma das principais formas de avaliar um professor universitário aqui no Brasil). As pessoas não empreendem porque precisam estagiar e conseguir um emprego, e com isso as possibilidades de criar algo relevante para o mercado/indústria começa a diminuir. Os problemas são muitos, mas precisamos romper essa dimensão dos problemas e entrar de vez em outra realidade onde somos todos empreendedores em potencial [nossa área em especial permite que empreendamos com baixíssimo investimento inicial, e uma perfeita característica também de detectar potencial rapidamente de acordo com a reação do público.]
A única resposta (e que pode soar um tanto quanto clichê) que me vem a mente depois disso tudo é: A mudança depende de cada um, e de um conjunto de rupturas individuais com esses conceitos existentes.
Você pode se perguntar: Como eu vou fazer isso? O que eu tenho que fazer para romper com essa realidade?
Eu também me pergunto isso! Aguarde, no próximo post vamos discutir mais sobre isso…
Arquivado em:Empreendedorismo, Tudo

Source: http://bytesdontbite.com/2011/04/04/a-falta-de-inovacao-e-empreendedorismo/

Category: Empreendedorismo, Tudo

Você também pode querer ler

Comments are off for this post.