Post

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars
Loading ... Loading ...

By Marcelo Nunes
Esses dias estive refletindo bastante sobre como deve se portar um líder de equipe diante das mais diferentes situações. Qual deve ser a postura de um líder criativo? Deve ser inspirador ou deve focar em mostrar que possui a situação sobre controle?
Decidi procurar referências em livros e uma amiga me indicou um bastante interessante. Se chama “The Leader’s Guide to Lateral Thinkin Skills“. O livro faz um paralelo bastante interessante sobre como se porta um líder clássico e um líder que está preocupado com inovação e com a disseminação do pensamento criativo. Dentre as principais diferenças entre esses dois tipos de líderes, vou citar algumas que me chamaram a atenção.

Líder clássico: Dirige, desprende maior tempo em questões operacionais do dia-a-dia do que em novas estratégias, dá a direção e as ordens, desmerece idéias e iniciativas sem prévia análise, fechado à críticas, etc…
Líder criativo: Inspira, desprender maior tempo à procura de novas estratégias e parceiros, faz perguntas, pede sugestões e delega, encoraja todos tipos de iniciativas e frequentemente implementa idéias, encoraja críticas construtivas, etc…
Posto isto, fica evidente que o líder criativo possui um perfil mais vanguardista e está mais inclinado a aceitar e lidar melhor com os riscos chegando ao patamar onde o risco torna-se um aliado à inovação. O resultado desse relacionamento tão peculiar com os riscos (lembrando aqui a importância de ter a maioria deles sobre controle e identificados), o líder criativo aposta pela quebra de regras para promover a inovação dentro da sua equipe. Pra algumas pessoas, esse tema não é novidade, principalmente quem mergulhou de fato no mundo das metodologias ágeis, mas eu acho que é uma temática que deve ser sempre reiterada e que é crucial nos projetos em que se deseja inovar.

A partir da quebra de regras de um negócio foi que se conseguiu um maior nível de inovação em determinado setor. Um bom exercício para tal é tentar identificar todas as regras intrínsecas ao seu modelo de negócio. Após haver mapeado um número razoável, pondere quais das regras parecem ser descartáveis e tente jogar com esse modelo retirando-a do contexto. Um bom exemplo para tal foi executado pela Heinz, a fabricante de ketchups. Enquanto a maioria dos molhos de tomate da concorrência nos EUA possuíam uma consistência mais líquida, o molho Heinz era mais espesso e exigia que o usuário tivesse que bater no fundo da lata pra conseguir extrair o conteúdo da embalagem. Havendo identificado essa particularidade, ao invés de mudar a fórmula do seu molho, a Heinz decidiu investir em uma estratégia de marketing onde se definia que o bom molho de tomate era o espesso. A campanha foi um sucesso e a Heinz hoje é uma das líderes no setor.
Existem N outros exemplos onde a quebra de regras foi crucial para a inovação. Será que vocês arriscam dar mais alguns exemplos? Como funciona o jogo de regras na sua equipe? Comenta aí!
Arquivado em:Agilidade, Tudo

Source: http://bytesdontbite.com/2011/03/15/quebrando-as-regras-o-lider-criativo/

Category: Agilidade, Tudo

Você também pode querer ler

Comments are off for this post.