Post

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars
Loading ... Loading ...

By Edwin Carlo

Por muitas vezes refleti se as pessoas, que trabalham com testes de software, devem ter habilidades de desenvolvimento. Não nego que possuir conhecimento do negócio é necessário para o profissional da área de testes. Mas, entender sobre a estrutura do que é testado, que antes de tudo é um software, também é importante.
James Whittaker, que já trabalhou com testes na Microsoft e atualmente trabalha na Google, escreveu um livro que demonstra algumas técnicas para se “quebrar” um software. As falhas exibidas são bem interessantes, e possíveis de serem atingidas em abordagem caixa-preta.
Como testador, pude experimentar algumas técnicas mencionadas no livro. Vou relatar sobre a aplicação de uma dessas técnicas em um projeto que trabalhei. No software desenvolvido, um usuário poderia criar menus que seriam acessados através de um servidor. Quando acessado um determinado item do menu, uma ação seria acionada. Uma das ações disponíveis era verificar o usuário que estava acessando o item e direcionar para outra ação.

Na imagem acima, quando um usuário A acessa o ITEM 2 do MENU, a ação 2 é chamada. Uma vez que a AÇÃO 2 identifica que é o usuário A, a AÇÃO 3 é acionada. Olhando para este exemplo, tendo em vista que uma ação de decisão envolve processamento, já é possível reproduzir a falha. A idéia é forçar um processo a ser executado várias vezes. Imagine uma ação parecida com a AÇÃO 2 no lugar da AÇÃO 3, apontando para AÇÃO 2 quando o usuário for A.

Agora, imagine o usuário A acessando o MENU pelo servidor. Ele tenta acessar uma vez o ITEM 2, vai para a AÇÃO 2, que o direciona para AÇÃO 3. A AÇÃO 3 o manda de volta para AÇÃO 2, que o manda mais uma vez para AÇÃO 3. Vai para AÇÃO 2… Deu pra entender que nunca vai parar? Bastaram algumas requisições feitas com o usuário A para ser necessário reiniciar o servidor, pois o serviço havia ficado indisponível.
No livro “How to Break Software”, James Whittaker demonstra falhas que podem ser provocadas tanto pela interface com o usuário como através de outro software. Ele ainda fala que muitos têm dificuldade em entender o ambiente em que o software funciona. Na experiência que tive com testes de software até o momento, me deparei com vários testadores que somente interagiam com a porção de botões, ou outros componentes visuais, que lhe eram oferecidos através de especificações. Tais testadores desconsideravam sistema de arquivos, componentes externos, sistema operacional, rede, relacionamento com outras funcionalidades, etc.
Com esse post, pretendo incentivar uma briga.
Testadores, aprendam onde os desenvolvedores deixam os bugs. Acreditem, boa parte das falhas de um software estão no código! Estudem formas diferentes de se encontrar os problemas. Entenda o sistema operacional, analise o código fonte do software, entenda de redes, estude as falhas dos frameworks utilizados, avaliem a segurança do produto (não usem a desculpa de que segurança é um requisito não-funcional), estudem tudo o que for válido para certificar a qualidade do software.
Desenvolvedores, vocês vão deixar? Vejam o que esses testadores poderão fazer com o código produzido por vocês! Se aproximem do pensamento dos testadores, vejam como eles agem. Desenvolvam o senso crítico. Dêem seu máximo para que falhas comuns não aconteçam. Estudem onde os bugs aparecem para poder evitá-los!
No final, essa disputa saudável, entre evitar e encontrar os bugs, é uma forma de se obter um software de qualidade e uma equipe em evolução contínua.

Arquivado em:Testes de Sw, Tudo

Source: http://bytesdontbite.com/2011/03/11/incentivando-uma-briga/

Category: Testes de Sw, Tudo, desenvolvimento, falhas comuns, qualidade, teste de software

Você também pode querer ler

Comments are off for this post.