Post

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars
Loading ... Loading ...

By Thiago Burgos
Primeiro de tudo, não sou um pesquisador da área de redes sociais, e o que vou falar aqui é puramente minha percepção a respeito das redes sociais e do futuro delas.
A internet era “individual”, até que a revolução dos serviços de chat começaram a fazer as massas se conectarem (mIRC, ICQ, Serviços de bate-papo nos sites, etc). Nesse momento você não estava mais só, você tinha oportunidade de falar, conversar e conhecer milhares de pessoas espalhadas pelo mundo.
Esses serviços de chat evoluiram para serviços de chat via texto mais elaborados (MSN Messenger, gtalk, Yahoo messenger, etc). A partir daí a revolução para comunicação via voz (skype, gtalk por voz, etc). Logo em seguida, uma rápida evolução também para comunicação com vídeo.
As pessoas estavam cada vez mais conectadas, mas as “conexões” ainda eram basicamente a dois, ou em pequenos grupos, no caso dos chats. Foi aí onde começou a grande a sacada, reunir todas as pessoas em uma rede social, aonde você pudesse estar relacionado a diversos outros “amigos”, participar de comunidades voltadas para um tema específico, trocar informações com diversas pessoas ao mesmo tempo, compartilhar fotos e vídeos com todos os seus conhecidos, achar pessoas que você não tinha contato a muito tempo (por meio da recomendação). Maravilha!
Começaram a surgir então ferramentas com esse foco, conectar pessoas a diversas outras, neste ambiente altamente colaborativo, onde cada um contribuiria para a submissão de informação, dados e conteúdo em geral. As primeiras iniciativas de sucesso foram o Orkut, MySpace e por aí vai. Até que chegou o Facebook, abalando! Praticamente nessa mesma época, começaram a surgir (e ainda estão surgindo) também redes socias com objetivos mais específicos como o LinkedIn (para conexões profissionais), Last.fm (para compartilhar e escutar músicas e gostos musicais), Votizen (rede social em desenvolvimento com foco político para o povo expressar suas idéias e feedbacks), Flicker para compartilhamento de fotos entre conexões, Foursquare que é uma rede social que envolve geolocalização para fazer checkins (utilizando a app mobile tanto para android quanto para iphone) nos lugares que você frequenta, dentre diversas outras.
E aí veio o Twitter! E o twitter chegou e “pegou”. O twitter cresceu tanto que até o mercado em volta do twitter cresceu com ele (clientes de twitter, outras redes sociais que se integram a API que o twitter disponibiliza, etc).
Então só resta uma questão:

Qual vai ser o futuro das redes sociais? Qual a próxima revolução?

Todo esse histórico das redes sociais é importante pois entendendo o passado é que se constrói o futuro.

Então uma coisa é certa, a próxima revolução vai envolver redes sociais. Mas o que será exatamente?
Dado o sucesso do twitter, podemos concluir talvez que a próxima revolução também vai envolver comunicação em larga escala.
Dado o sucesso do foursquare, a próxima revolução vai envolver geolocalização.
Dado o sucesso das aplicações mobile, a próxima revolução vai estar no seu celular, no seu tablet e também no seu browser, e não apenas em um só lugar.

Definitivamente, os que sairem na crista da onda da próxima revolução das redes sociais vão ganhar dinheiro e mercado e serão copiados por centenas de pessoas e empresas.

Será que estamos seguindo as pistas certas?

Arquivado em:Empreendedorismo, Tudo

Source: http://bytesdontbite.com/2011/02/23/o-futuro-das-redes-sociais-qual-a-proxima-revolucao/

Category: Empreendedorismo, Tudo, facebook, redes sociais, twitter

Você também pode querer ler

Comments are off for this post.