Post

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars
Loading ... Loading ...

By Fabrício Ferrari de Campos
Problemas sempre acontecem, e na área de TI eles são constantes. Desde falhas de segurança no sistema até falhas na comunicação interna.
E muitas vezes, passamos dias, meses e até anos só “apagando incêndios”, ou seja, só amenizando os efeitos dos problemas existentes. E neste momento, se a causa raiz dos nossos problemas fosse uma pessoa, ela estaria dando boas gargalhadas.
Mas não há nenhuma graça nessa história. A tarefa de “apagar incêndios” não pode entrar na nossa rotina. E para mudar essa história, precisamos descobrir a causa raiz dos nossos problemas.
Uma das técnicas mais básicas e importantes, em qualquer programa de melhoria da qualidade, pode nos auxiliar na busca da causa raiz: a Análise de Causa Raiz.
Introdução
A Análise de Causa Raiz, também conhecida como RCA (Root Cause Analysis) é uma maneira de identificar as causas de um problema, afinal os problemas são melhores resolvidos ao tentar corrigir ou eliminar as suas causas.
Ela é uma técnica usada nas mais variadas áreas, aliás, você já deve ter visto uma das formas de implementar ela: o famoso diagrama de Ishikawa, conhecido também como “Diagrama de Causa e Efeito” ou “Espinha-de-peixe” (fishbone), nas aulas de Administração na faculdade.
Como podemos implementar a Análise de Causa Raiz?
Há muitas técnicas, com as quais podemos implementar a Análise de Causa Raiz, entre as principais se encontram:

Diagrama de Causa e Efeito: permite identificar, explorar e apresentar graficamente todas as possíveis causas, relacionadas a um único problema. Utilizando em equipe, criamos uma “foto” do conhecimento e consenso de todos os envolvidos, a respeito do problema.

Cinco Porquês: desenvolvida por Sakichi Toyoda (fundador da Toyota), é baseada na realização de 5 iterações perguntando o porquê daquele problema, sempre questionando a causa anterior. E na prática não é necessário fazer 5 perguntas, pode ser mais ou menos, o importante é chegar à causa do problema.

Reunião de Análise Causal: as causas do problema são levantadas em reuniões do tipo “Brainstorming”. As causas mais prováveis podem ser discutidas entre a equipe, e após descobrir as causas dos problemas, os participantes podem propor ações que ajudem na prevenção desses problemas no futuro.

É possível e até recomendado que se use mais de uma técnica ao mesmo tempo, por exemplo: na reunião de Análise Causal utilizar o Diagrama de Causa e Efeito.
Conclusão
A Análise de Causa Raiz é um importante elemento em qualquer área de TI, e pode ser usado em qualquer fase do projeto.
Um momento bom para ela ser usada, é durante a reunião de lições aprendidas. Pois nada melhor do que descobrimos a causa real dos problemas que enfrentamos no projeto, com todos envolvidos participando e opinando.
Ela também poder ser usada pelos desenvolvedores para encontrar a causa para o defeito, e desta maneira, além de poder corrigir tal defeito eles ainda poderão prevenir a sua ocorrência no futuro.
E para finalizar, acredito que é clara a necessidade de encontrar a causa raiz dos problemas que vivenciamos no dia-a-dia, e que essa é uma tarefa que deve ser feita em equipe, sempre que possível. Afinal, nem sempre a causa de um problema é tão visível ou fácil de ser encontrada, como por exemplo: problemas de performance, às vezes passamos até meses para descobrir, onde estava o gargalo da aplicação. Mas com certeza, é muito melhor gastar massa cefálica do que desperdiçar dinheiro comprando novos servidores, além é claro, da satisfação e benefícios de ter encontrado o real motivo do problema. :)
Fique por dentro das novidades, assine o feed do QualidadeBR.

Fonte:
Software Quality, Module 10: Effective Practices for Quality Analysis – Lesson 3: Root-Cause Analysis (AzIT)
5 Porquês – Luiz de Paiva

Source: http://qualidadebr.wordpress.com/2009/06/13/analise-de-causa-raiz/

Category: Teste & Qualidade de Software, análise de causa raiz, cinco porquês, diagrama de causa e efeito, diagrama de ishikawa, prevenção de defeitos, reunião de análise causal

Você também pode querer ler

Comments are off for this post.